Pedro Pereira @ 00:00

Dom, 14/11/10

Porque é sempre bom recordar causas nobres (Unidos Para Ajudar) e porque a conversar é que a gente se entende.

 

 

 

 

Vem conversar
Eu pago as imperiais e os cafés
Estou a precisar de atenção

Tenho dado tantas voltas ao revés
Perto de cair
Eu tenho de abrir

 

Este convite fica aqui
Às voltas no ar
Este convite é para ti
Se acaso aí chegar

 

Podes não ter tempo ou disposição
Podes até não estar por cá

 

Ouvi dizer que tu também não andas na maior
Talvez nos faça bem arejar
Não vamos ser piegas nem trocar a dor

Somos os peões
Somos campeões


Bandas: ,


Diogo Filipe Sousa @ 00:00

Qua, 06/10/10

 

 

Tiveste gente de muita coragem 
E acreditaste na tua mensagem 
Foste ganhando terreno 
E foste perdendo a memória

 

Já tinhas meio mundo na mão 
Quiseste impor a tua religião 
E acabaste por perder a liberdade 
A caminho da glória

 

Ai, Portugal, Portugal 
De que é que tu estás à espera? 
Tens um pé numa galera 
E outro no fundo do mar 
Ai, Portugal, Portugal 
Enquanto ficares à espera 
Ninguém te pode ajudar

 

Tiveste muita carta para bater 
Quem joga deve aprender a perder 
Que a sorte nunca vem só 
Quando bate à nossa porta

 

Esbanjaste muita vida nas apostas 
E agora trazes o desgosto às costas 
Não se pode estar direito 
Quando se tem a espinha torta

 

Ai, Portugal, Portugal 
De que é que tu estás à espera? 
Tens um pé numa galera 
E outro no fundo do mar 
Ai, Portugal, Portugal 
Enquanto ficares à espera 
Ninguém te pode ajudar

 

Fizeste cegos de quem olhos tinha 
Quiseste pôr toda a gente na linha 
Trocaste a alma e o coração 
Pela ponta das tuas lanças

 

Difamaste quem verdades dizia 
Confundiste amor com pornografia 
E depois perdeste o gosto 
De brincar com as tuas crianças

 

Ai, Portugal, Portugal 
De que é que tu estás à espera? 
Tens um pé numa galera 
E outro no fundo do mar 
Ai, Portugal, Portugal 
Enquanto ficares à espera 
Ninguém te pode ajudar

 

Ai, Portugal, Portugal 
De que é que tu estás à espera? 
Tens um pé numa galera 
E outro no fundo do mar 
Ai, Portugal, Portugal 
Enquanto ficares à espera 
Ninguém te pode ajudar


Bandas:


Pedro Pereira @ 00:00

Dom, 01/08/10

Tu és um crítico de merda.

 

Estás demitido, obviamente demitido
tu nunca roubaste um beijo
e fazes pouco das emoções
és o espantalho dos amantes.
Estás demitido, obviamente demitido
evitas a competência
não reconheces o mérito
és um pilar da cepa torta

 

E assim vamos vivendo
na província dos obséquios
cedendo e pactuando enquanto der
filósofos sem arte, afugentamos o desejo
temos preguiça de viver

 

Estás demitido, obviamente demitido
subornas os próprios filhos
trocaste o tempo por máquinas
tu és um pai desnaturado.

Estás demitido, obviamente demitido
arrasas a obra alheia
às vezes usas pseudónimo
tu és um crítico de merda

E assim vamos vivendo...

 

Estás demitido, obviamente demitido
encostas-te às convergências
nunca investiste num ideal
tu sempre foste um demitido
tu foste sempre um demitido
já nasceste demitido!


Bandas:


André Pereira @ 00:00

Ter, 04/05/10

Em todos os posts costumo deixar uma pequena nota sobre o artista. Este Senhor, definitivamente, dispensa apresentações!

Ei-lo:

 

 

Se alguma vez te parecer
Ouvir coisas sem sentido
Não ligues sou eu a dizer
Que quero ficar contigo
E apenas obedeço
Com as artes que conheço
Ao principio activo que rege desde o começo
E mantém o mundo vivo

 

Se alguma vez me vires fazer
Figuras teatrais
Dignas de um palhaço pobre
Sou eu a dançar a mais nobre
Das danças nupciais
E em minhas plumas cardeais
Em todo o meu esplendou
Sou eu, sou eu nem mais
A suplicar o teu amor

 

É a dança mais pungente
Mão atrás e outra à frente
Valsa de um homem carente


Bandas:


Pedro Pereira @ 00:00

Dom, 10/01/10

Eu não sei bem quem tu és
 
Sei que gosto dos teus pés
 
Do teu olhar atrevido
 

 
Tu baralhas-me a razão
 
Invades-me o coração
 
E eu ando um pouco perdido
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que ter toda a fama do mundo
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que todo o dinheiro do mundo
 

 
Adivinha onde eu cheguei
 
Desde o tempo em que roubei a tua privacidade
 
Fiz de ti lírio quebrado
 
Fera de gesto acossado, vendi a tua ansiedade
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que ter toda a fama do mundo
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que todo o dinheiro do mundo
 

 
E agora que estamos sós, vamos ser apenas nós
 
Dar a volta ao argumento
 
Vamos fugir em segredo
 
Sumir por entre o enredo, soltar o cabelo ao vento
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que ter toda a fama do mundo
 

 
Troco tudo por um beijo
 
Mais vale morder um desejo
 
Que todo o dinheiro de mundo
 

Bandas:


Pedro Pereira @ 00:00

Qui, 24/12/09

Vamos lá contar as armas
tu e eu, de braço dado
nesta estrada meio deserta
não sabemos quanto tempo as tréguas vão durar...

há vitórias e derrotas
apontadas em silêncio

no diário imaginário
onde empilhamos as razões para lutar!

Repreendo os meus fantasmas
ao virar de cada esquina

por espantarem a inocência
quantas vezes te odiei com medo de te amar...

vejo o fundo da garrafa
acendo mais outro cigarro
tudo serve de cinzeiro
quando os deuses brincam é para magoar!

Vamos enganar o tempo
saltar para o primeiro combóio
que arrancar da mais próxima estação!
Para quê fazer projectos
quando sai tudo ao contrário?
Pode ser que, por milagre,
troquemos as voltas aos deuses

Entre o caos e o conflito
a vontade e a desordem
não podemos ver ao longe
e corremos sempre o risco de ir longe demais

somos meros transeuntes
no passeio dos prodígios
somos só sobreviventes
com carimbos falsos nas credenciais
Vamos enganar o tempo...

Bandas:

“A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende” Arthur Schopenhauer
Pesquisar
 
Ouvir no Facebook
Arquivo
Bandas

todas as tags