Gualter Ego @ 00:00

Sex, 08/10/10

Os Feromona, banda lisboeta, lançaram o seu segundo álbum, "Desoliúde", em Maio passado. Se compararmos este álbum com o anterior, "Uma Vida a Direito", percebemos que este "Desoliúde" está mais grunge, mais ruidoso e barulhento, com a voz rouca e os feedbacks dos amplificadores como marca de água do álbum. As letras falam, já ao bom jeito "feromoniano", inevitavelmente, das mulheres, da carne e do amor, sempre num tom irónico e cínico. Há espaço para alguma nostalgia em "A Courtney Love" e, em "Alfama", percebemos que também se pode fazer rock do bom, o melhor que se faz neste momento no nosso país, num sinuoso bairro lisboeta. Se o álbum anterior era mais radio frienldy, neste "Desoliúde" os Feromona não se deixam intimidar e mostram todo o seu poder. Com Diego Armés na voz e na guitarra, Marco Armés na bateria, Bernardo Barata no baixo e, como nova "aquisição", João Gil nas teclas e na guitarra, os Feromona estão em rota ascendente, embora seja nítido que a humildade e o espírito underground prevalecem, apesar de tudo - o que se denota do próprio título do mais recente álbum - no panorama musical português e, sinceramente, merecem. Chega-nos, agora, o teledisco do primeiro single desse álbum, "Selvagem Tosco".

Bom fim-de-semana!

Bandas:


Gualter Ego @ 00:19

Sex, 08/10/10

 

Sinceramente, eu não sabia o que esperar deste álbum, quando me deram a notícia de que estava para sair.
Fiquei contente com o som mais pesado, mas tenho de concordar contigo em que eles ainda têm mais para dar. E, sinceramente, se não tivessem, era de preocupar. Talvez pelo álbum ser heterogéneo, e bastante informal, algo me convence que isto não é o seu apogeu.

Obrigado pelas boas vindas, boa noite.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

“A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende” Arthur Schopenhauer
Pesquisar
 
Arquivo
Bandas

todas as tags

subscrever feeds