Tomás Esteves @ 00:00

Qua, 27/01/10

 

O arame que rasga,
Uma faca que mói,
Desenha-se um oito que espreme o suor;

O pulso dispara quando então te vejo,
Falha-me a voz,
Simula um harpejo;

Quebrando as unhas,
Moendo o verniz,
Abriu-se uma cova no meio do chão;

Roendo as unhas tusso,
Tremo,

Treino tudo aquilo que vá dizer

...Espera.
...Demora.
Na calma que grita.
...Espera que aperta
...

Não tenho saliva..!

Dedos que tremem,
E os pés que se agitam.



“A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende” Arthur Schopenhauer
Pesquisar
 
Arquivo
Bandas

todas as tags