Carlos Fial @ 00:00

Qui, 01/12/11

A hora avançou....

Depois de mais um dia/noite embrenhado na escravidão das horas, chega um a casa, ao resto do que mais se assemelhe com o calor consentido pela palavra. Casa... Aquela, que está sempre lá. Essa mesmo. O facto consumado. A verdade imperativa, que te recebe de braços abertos, depois de mais um dia te ter parido a ferros. Te ter escarrado, depois de se ter apercebido que estavas cansado demais para sobreviver a ele. Depois do dia te aplicar, gentilmente, com uma palmada nas costas, o seu "coup de grâce".  O porto de desabrigo. Na privacidade do desassossego... Nisto todas as casas devem ser iguais... Cada uma com o seu desassossego próprio. Aliás, diferentes... Nada nos desassossega como o sossego de casa. A Nossa Casa! Tropeçando em espaços nulos que te conduzem a mais uma cigarro, ou a mais um sono, dependendo da insónia de cada um. Tudo para dizer que, no meio disto tudo, esqueci-me do post... Pela presumível - da minha parte - compreensão - aqui já, da vossa - vos digo:

Bem Haja.

 

O Abraço!


Bandas:

“A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende” Arthur Schopenhauer
Pesquisar
 
Ouvir no Facebook
Arquivo
Bandas

todas as tags